Coordenador da UPP Social dá palestra sobre o programa durante a Rio+20

21 junho 2012 | Notícias | Território: Vidigal, Turano, Tabajaras / Cabritos, São João, São Carlos, Santa Marta, Salgueiro, Providência, Pavão-Pavãozinho / Cantagalo, Nova Brasília, Mangueira, Macacos, Formiga, Fazendinha, Fallet / Fogueteiro / Coroa, Escondidinho / Prazeres , Complexo do Alemão, Complexo da Penha, Cidade de Deus, Chapéu Mangueira / Babilônia, Borel, Batan, Andaraí

O presidente do Instituto Pereira Passos, coordenador da UPP Social, Ricardo Henriques, apresentou o programa, ontem (20) na série de debates  “Rio+20 Global Town Hall”, realizada no pavilhão do Rio de Janeiro no Parque dos atletas.

O evento, que começou no dia 18 e termina amanhã, é um fórum voltado para representantes de governos locais, organizado pela ICLEI – Local Governments for Sustainability, uma associação que congrega representantes de mais  1.200 governos locais comprometidos com o desenvolvimento sustentável.

Henriques apresentou a palestra “Sustentabilidade e Integração territorial: a experiência da UPP Social” para um público muito interessado em conhecer “o Rio de Janeiro real”.

“Nosso maior desafio é redesenhar  a cidade de forma a integrar os territórios pacificados a ela”, disse ele.

Henriques reforçou a importância do empoderamento da população local para a produção de mudanças e defendeu um novo modelo de execução de políticas públicas, focado em ações integradas no território e com base na participação comunitária. “Precisamos redefinir a forma como a política pública chega a esses lugares”, disse.

Como exemplo de uma nova forma de execução dessa política, apresentou o caso do programa de coleta de lixo que já está implantado em oito favelas pacificadas. O projeto faz parte da agenda prioritária do programa e envolve a participação dos moradores desde o início de sua implantação.

“Se queremos que as favelas tenham a mesma qualidade de serviço que há no resto da cidade, é preciso que ela seja tratada de forma diferente. É preciso trabalhar junto com a população e ter políticas específicas para essas áreas”, completou.

A apresentação do programa despertou ainda mais o interesse de alguns participantes por conhecer in loco como as favelas pacificadas vêm se adaptando a esta nova realidade. No próprio debate foi organizado um grupo para visitar o Complexo do Alemão e o Tabajaras.