Grupo de turismo do Tabajaras visita albergue no Chapéu Mangueira

24 julho 2012 | Notícias | Território: Tabajaras / Cabritos, Chapéu Mangueira / Babilônia

Cristiane mostra o Favela INN

Gilmar Lopes nasceu no Tabajaras e morou em Londres por 15 anos. Voltou para o Brasil com uma ideia: hospedar turistas em sua comunidade. “Todo mundo com quem eu falava no exterior, dizia ‘isso aí não tem como não dar certo’. A gente está em Copacabana, um lugar maravilhoso que, ao mesmo tempo, tem clima de montanha, mas está na beira da praia, com uma vista linda”.

A vista da cidade do alto é um dos privilégios que Cristiane de Oliveira, dona albergue Favela Inn, no Chapéu Mangueira, sabe aproveitar. Esta semana, ela abriu as portas do hostel para receber cinco moradores do Tabajaras que fazem parte do Tabatur, grupo que busca fomentar o turismo na comunidade. O encontro permitiu a troca de experiências para que iniciativas que funcionaram em outras favelas pacificadas possam ser usadas para colocar o Tabajaras no roteiro turístico da cidade.

No Favela Inn, 90% dos hóspedes são estrangeiros, mas o número de brasileiros vem aumentando. Na baixa temporada, são estudantes de intercâmbio que viabilizam o negócio. “Eu tive uma oportunidade de trabalhar com albergue e hoje poder fazer uma assessoria para pessoas de comunidade e ser usada como  exemplo é muito importante para mim”, diz Cristiane.

Ela conheceu o Tabatur através do site e gostou do que viu. Seu incentivo para que o negócio seja implantado no Tabajaras vem do desejo de integração.“Os albergues de comunidades precisam fazer um link, um interagir e aprender com o outro”, diz.

Para Gilmar, o saldo do encontro foi positivo. “Apesar de já ter trabalhado no ramo, em Londres, a Cristiane e seu marido falaram coisas novas, sobre segurança, como são as coisas na alta e na baixa temporada, como fazer divulgação…”, diz.

Leandro Araújo, guia turístico, faz roteiros principalmente na região do centro da cidade, mas também leva turistas para as comunidades Santa Marta e Tabajaras, onde mora. Ele acredita que, se houvesse um albergue na comunidade, a procura seria grande. “Estrangeiro em geral tem menos preconceito, gosta do clima da comunidade”, diz.

Ele já hospedou turistas conhecidos, e, até hoje, as pessoas procuram para saber se ele tem quartos vagos em casa. Foi levando em conta essa experiência que ele participou da visita ao Favela Inn. “Cristiane é muito generosa, sempre pronta para ajudar e fazer parceria. Mas administrar um albergue não é fácil como parece ser, requer muito tempo, dedicação e um nível de experiência para lidar com as pessoas“, considera.

A Tabatur, Grupo de Turismo Comunitário dos Tabajaras e Cabritos, em parceria com a UPP Social e o IPP, já tinha promovido essa colaboração Chapéu Magueira – Tabajaras antes. Em abril, donos de bares e restaurantes da Ladeira visitaram o Bar do David, que já virou uma referência quando o assunto é empreendimentos nas favelas. David, o dono do bar, foi padrinho da Caminhada Gastronômica dos Tabajaras, que aconteceu em junho, outra iniciativa para aproveitar o potencial turístico do local.